Dr. João Guilherme de Moraes fala sobre doenças da visão na melhor idade e como manter uma boa saúde ocular.

 

A população brasileira está envelhecendo numa velocidade maior que o resto do Mundo. Dados da OMS (Organização Mundial da Saúde) revelam que enquanto a população idosa irá dobrar até 2050, no Brasil irá triplicar. Até a metade do século cerca de 30% da população terá mais que 60 anos de idade. Isso implica em muitos desafios para a saúde pública e políticas sociais para atender as necessidades dessa faixa etária.

Levando em consideração a importância da visão em todas as fases da vida, sabemos que a partir dos 40 anos idade já aparecem os primeiros sinais de redução da acuidade visual, como a vista cansada, também conhecida como presbiopia. Por isso conversamos com o Dr. João Guilherme de Moraes oftalmologista especialista em retina para saber, como podemos envelhecer com uma boa visão.

Dr. Joao Guilherme quais doenças visuais são mais comuns na população idosa?

As doenças mais comuns que afetam a melhor idade são: glaucoma, Degeneração Macular Relacionada da Idade DMRI, Retinopatia diabética, oclusão venosa da retina, catarata e vista cansada (presbiopia), essas duas últimas são menos nocivas, mas não menos importantes de serem tratadas.

Das doenças citadas quais são mais prejudiciais?

As doenças que causam maior prejuízo a visão do paciente são a DMRI e a retinopatia diabética, ambas podem ocasionar perda irreversível da visão.

O que seria a Degeneração Macular Relacionada a Idade?

Existem dois tipos de DMRI a seca e a exsudativa ou úmida, a primeira é conhecida como DMRI SECA é a mais comum, responde por 90% dos casos, e tem como principal característica a presença de drusas, manchas amarelas na mácula, ou ainda pela atrofia das células do epitélio pigmentar da retina, a doença avança lentamente e causa perda visão.

Já a DMRI úmida atinge somente 10% dos casos, mas é mais grave, pois é caracterizada pelo surgimento de vasos sanguíneos anormais na mácula, que se rompem causando hemorragia e danificando as células fotorreceptoras, levando a perda da visão central.

A Retinopatia diabética atinge somente pessoas idosas?

Não. Na verdade, a retinopatia diabética é a maior causa de cegueira entre pessoas jovens, mas a doença também atinge pessoas idosas, neste caso não é a idade o fator determinante para o surgimento da retinopatia diabética, mas sim o descontrole da diabetes.

A Retinopatia diabética é um conjunto de sintomas que atingem o fundo do olho, podendo causar hemorragia e até mesmo o descolamento da retina.

No caso da DMRI existe algum tratamento?

Para a DMRI seca ainda não tem um tratamento com eficácia comprovada, existem alguns estudos em andamento, que estão bem próximos de um tratamento da a DMRI SECA. Já a DMRI úmida, tem tratamento, o mais utilizado e eficaz é a aplicação de injeção intra-vítrea, com medicamentos que bloqueiam o surgimento dos neovasos e conseguem até melhorar a visão do paciente.

O fator genético é importante no diagnóstico das doenças oculares?

É importante saber se existe algum caso na família relacionado a doenças oculares, quando existe, a probabilidade de diagnóstico é maior. Mas não é o único fator determinante, para que o fator hereditário se manifeste, é preciso um contexto, é possível que fatores ambientais e de comportamento exerçam alguma influência, acelerando ou reduzindo o peso do fator genético no surgimento de doenças.

 

E como manter a visão boa na melhor idade?

Ao longo de minha carreira tenho percebido um perfil característico de pessoas que tem mais ou menos saúde ocular. Para facilitar vou listar os hábitos das pessoas que tem mais saúde:

  • Praticam exercícios físicos;
  • Não bebem ou fumam com frequência;
  • Tem uma alimentação balanceada;
  • Controlam o estresse;
  • Possuem hobbies ou outras atividades (dançam, saem com amigos, etc);
  • Visitas regulares em médicos e com o oftalmologista.

 

Pessoas que praticam exercícios de forma constante e com acompanhamento adequado, tem menos propensão a desenvolver doenças. Praticar exercícios melhora a oxigenação do sangue, a auto estima, libera hormônios importantes para manter o corpo e a mente saudável. O sedentarismo é um item marcante em pessoas com problemas de saúde.

Não preciso nem citar que o tabagismo e o alcoolismo atuam de forma negativa na saúde das pessoas, portanto é quase que um item básico não manter este tipo de hábito.

A alimentação equilibrada também se faz necessário, sobretudo para pacientes que tem diabetes, pacientes que controlam a diabetes respondem melhor a tratamentos e não desenvolvem outras doenças relacionadas a presença da diabetes, como a retinopatia diabética.

Muitas pessoas não sabem, mas o estresse está a associado a diversas doenças, a pratica de exercícios e hobbies também ajudam a controlar o estresse, o que melhora a saúde como um todo.

As pessoas que tem uma vida ativa, com hobbies e atividades como dança, yoga, caminhada etc, conseguem um melhor equilíbrio mental, emocional e físico.

Acompanhamento regular da saúde, com realização de consultas e exames de rotina, auxiliam no diagnóstico de doenças logo no seu início, muitas doenças da retina, são chamadas de silenciosas, não apresentam sintomas nos seus estágios iniciais, quando surgem os primeiros sintomas, a visão pode estar comprometida. Por isso diagnosticar uma doença logo no início, apresenta maiores chances de sucesso, na oftalmologia não é diferente.

 

E qual seria sua dica de ouro para quem deseja ter uma boa visão?

Acho que não existe uma dica mágica para a saúde, o que observamos é que pessoas que investem em sua qualidade de vida, cuidam do físico e da mente, conseguem ter uma saúde melhor, respondem melhor aos tratamentos e por visitarem regularmente seus médicos de confiança, descobrem as doenças nos estágios iniciais.

Todos esses fatores juntos contribuem para uma vida saudável como um todo.

Por isso reforço que não existe mágica, o que é preciso é ter uma vida com disciplina, mas que inclua lazer, diversão, trabalho, alimentação tudo com equilíbrio.

As dificuldades fazem parte da vida, a forma de encarar é que diferencia o resultado final.