A Degeneração Macular Relacionada à Idade (DMRI), uma das principais causas de cegueira em pessoas com mais de 60 anos de idade, é caracterizada pelo surgimento de drusas (espécie de cristais orgânicos) que se acumulam no fundo do olho. Com o tempo, a presença deste material pode afetar células importantes da retina e provocar a perda da visão.

“Existem dois tipos de DMRI, a úmida e a seca. A primeira é o tipo mais grave da doença e atinge cerca de 10% dos casos. Já a DMRI seca também pode prejudicar a visão, mas seu tratamento é mais difícil”, explica o retinólogo João Guilherme Oliveira de Moraes.

Um estudo inicial publicado na revista Science Translational Medicine produziu a estabilização da progressão da DMRI do tipo SECA e a melhora da visão em um dos pacientes. A pesquisa foi realizada com cinco pacientes que tinham DMRI seca do tipo grave, com perda considerável da visão.

Os médicos cientistas implantaram dentro do olho dos pacientes um composto sintético derivado de células tronco e observaram através do exame de Tomografia de Coerência Óptica (OCT), a evolução do tratamento. Os resultados iniciais foram animadores, pois quatro dos cinco pacientes receberam o substrato com sucesso. Todos apresentaram estabilização da DMRI, sendo que um deles obteve melhora na função visual.

João Guilherme Oliveira de Moraes, oftalmologista especializado em retina e vítreo, explica que se trata de um ensaio clinico que visa avaliar a segurança e eficácia de um tratamento, para permitir pesquisas mais avançadas no futuro. Por isso embora os resultados sejam animadores, não são definitivos. Segundo ele, outros estudos deverão ser realizados para testar a eficácia do tratamento proposto.

O mais importante é noticiar que a cada dia a medicina está evoluindo e doenças que hoje são de difícil tratamento, no futuro poderão ser controladas.

Devido a importância do fundo do olho e também por ser uma área sensível, as doenças da retina costumam afetar seriamente a visão. A retina possui células especializadas que não se regeneram, portanto, uma vez afetadas não podem mais ser recuperadas. Por isso é tão importante quando um tratamento consegue demonstrar alguma melhora na visão.

Até lá é importante que as pessoas visitem regularmente o oftalmologista para permitir o diagnóstico precoce de doenças como a DMRI e seu respectivo tratamento.

 

 

Fonte:  http://stm.sciencemag.org/content/10/435/eaao4097