Home DMRI Degeneração Macular Relacionada a Idade Degeneração Macular Relacionada à Idade

Degeneração Macular Relacionada à Idade

100
0

Degeneração Macular Relacionada à Idade

DMRI (Degeneração Macular Relacionada à Idade) é uma doença que atinge a parte central da retina, que é responsável pela nitidez da visão, essa região é conhecida como mácula.

Visão com DMRI:

 

A degeneração macular é uma doença degenerativa, ou seja, ela degrada a região afetada levando a perda da visão do paciente.

Pessoas com mais de 50 anos de idade e de pele clara tem mais propensão a ter a Degeneração Macular.

A DMRI se apresenta de duas formas

DMRI – SECA

A Degeneração Macular na sua forma SECA é uma forma mais branda da doença, que é caracterizada por acúmulo de drusas atrás da mácula, as drusas são pequenos depósitos amarelados que aumentam de tamanho e em quantidade, podendo danificar as células na retina, produzindo distorções na visão. Geralmente os efeitos da distorção da visão acontece na parte central e são mais aparentes quando se lê, os casos de DMRI SECA não causam perda da visão no paciente, embora comprometam a visão central.

 

 

DMRI – EXSUDATIVA (úmida)

Essa forma da doença émais grave e agressiva, de 10% a 15% dos pacientes com DMRI SECA podem evoluir para a DMRI úmida, que é caracterizada pelo crescimento anormal dos vasos sanguíneos, conhecido como angiogênese ou neovascularização, ocasionalmente causa vazamento de sangue e fluido, que podem lesionar a mácula e/ou a retina. Produzindo perda rápida e permanente da visão central, num período curto de meses. Um sintoma precoce da DMRI úmida são linhas retas parecerem onduladas.

 

Devido ao aumento da expectativa de vida das pessoas existe a tendência de haver mais casos de Degeneração Macular Relacionada à Idade. Por isso a preocupação com a doença é cada vez maior, segundo a OMS no Brasil cerca de 100 mil novos casos de DMRI se desenvolvem a cada ano, sendo considerado a maior causa de cegueira à partir dos 60 anos de idade.

O que causa da DMRI?

Alguns estudos indicam que o fator genético é significativo para o surgimento da doença, porem sua causa real ainda é desconhecida, outros estudos indicam que fatores demográficos também podem influenciar no aparecimento da Degeneração Relacionada a Idade, pessoas de cor branca, com excesso de gordura corporal e fumantes tem maior propensão a desenvolver a doença, por isso certos cuidados com a qualidade de vida são importantes, para prevenir diversos tipos de doenças.

Tratamento da DMRI

Os tratamentos para DMRI são direcionados para sua forma úmida, no qual o crescimento anormal de vasos provocam a perda da visão central. Os tratamentos são direcionados para interromper esse crescimento anormal dos vasos e assim impedir a perda da visão do paciente.

Existem vários tipos de tratamentos para DMRI esxudativa, na sua maioria medicamentos aplicados diretamente no olho.

Em vários países foram realizados milhares de estudos científicos que comprovam a eficácia dos métodos de tratamento com antiangiogênicos, medicamentos que impedem o crescimento anormal dos vasos sanguíneos nos pacientes com DMRI esxudativa.

As medicações conhecidas e amplamente usadas são:

Ranibizumabe (Lucentis) – essa medicação interfere com uma pequena proteína conhecida como fator de crescimento endotelial (VEGF). Esse fator de crescimento estimula a angiogenese que ocorre na DMRI úmida. Estudos clínicos demonstram que 95% dos pacientes que foram tratados com a medicação mantiveram a visão, e aqueles que permaneceram por mais tempo com o tratamento tiveram melhora da acuidade visual.

Pegaptanib (Macugen) – o pegaptanib, é um aptâmero. Um aptâmero é uma cadeia simples de

moléculas chamadas nucleótidos que se liga facilmente a uma molécula específica do corpo. O

pegaptanib foi concebido para se ligar a uma proteína chamada fator de crescimento endotelial vascular (VEGF) e bloqueá-la.

 

Dexametasona Ozurdex – Recentemente foi aprovado o sistema de liberação crônica denominado de Ozurdex® para o tratamento de oclusão de ramo venoso e oclusão de veia central da retina. Tal sistema consiste na introdução através um injetor, posicionado no “pars plana” do paciente. O polímero contendo dexametasona é injetado na cavidade vítrea.