Home Retinopatia Diabética Degeneração Macular Relacionada à idade

Degeneração Macular Relacionada à idade

105
0

No Brasil cerca de 3 milhões de pessoas já possuem a doença que causa perda da visão central, segundo dados da OMS a doença atinge 10% da população entre 65 e 74 anos e à partir dos 74 anos o índice chega à 25%, em números equivale a dizer que em 2020 o número de pessoas com DMRI será 50% maior do que hoje cerca de 6 milhões de pessoas.

Veja vídeo de como é a DMRI:


A Degeneração Macular Relacionada à idade é uma condição clinica que acomete pessoas com idade acima de 65 anos, sua principal característica é a perda da visão central, que reduz significativamente a qualidade de vida desses pacientes, impedindo-os de realizar simples tarefas do dia-a-dia.

A DMRI (Degeneração Macular Relacionada à Idade) tem duas formas a SECA e a ÚMIDA,

A do tipo SECA também chamada de Atrófica se caracteriza pelo acumulo de Drusas por trás da retina, as drusas são uma massa globular, geralmente composto oxalato de cálcio. O Acumulo das Drusas atrás da retina pode ocasionar o Descolamento da Retina uma condição grave que pode levar a perda da visão e é necessário procedimento cirúrgico para cessar o descolamento, recolocando o tecido no lugar novamente. como a retina é um tecido altamente vascularizado e sensível, os danos ocasionados pelo descolamento da retina podem ser irreversíveis.

veja no vídeo abaixo como é a DMRI SECA

 

A DRMI do tipo úmida ou Exsudativa tem como característica o acúmulo de Drusas por trás da retina e a formação de vasos sanguíneos irregulares que também causam o descolamento de retina e afetam a mácula, prejudicando assim a visão central, somente 10% dos pacientes que tem DRMI desenvolve a forma úmida que também é a mais agressiva.

A DMRI do tipo úmida possui tratamento, um dos mais eficazes é a aplicação de injeção intra-vítrea com medicação que interrompe o crescimento dos vasos sanguíneos e em muitos casos auxilia na melhora da visão.

A Injeção intra-vitrea é um procedimento simples e indolor para o paciente, que exige técnica e habilidade do oftalmologista especialista em retina, a medicação aplicada tem como principio ativo os Antiogênicos que são capazes de retardar e cessar o processo de crescimento dos vasos irregulares, marcas conhecidas como Avastin, Lucentis, Triancinolona e Ozurdex vem sendo utilizadas com sucesso em milhares de casos pelo mundo.  No Brasil esses medicamentos já estão liberados pela ANVISA (Agência Nacional da Vigilância Sanitária) e também autorizados pela ANS (Agência Nacional de Saúde) que tem uma portaria que obriga os convênios a cobrirem o uso da medicação.

O Dr. João Guilherme de Moraes CRM 16712 representa o Instituto Retina Curitiba Centro de Tratamento especializado em doenças do fundo do olho, já atendeu milhares de pacientes e tem especialização nos principais centros de referência do Brasil, EUA e Europa.  Segundo ele os tratamentos para doenças do fundo do olho vem a cada ano tornando-se mais eficazes e seguros e sua equipe esta em constante aprimoramento para trazer as mais modernas e avançadas técnicas existentes.